Hoje o Rafael Slonik do Novo Mundo falou no twitter, depois de uma explicação técnica, que Mac é coisa pra rico ou pra burro. Eu como um bom Mac fanboy, nem rico nem burro, fiquei puto. Achei um absurdo ele falar isso no twitter, pra quem o segue e tal. Mas depois eu pensei: é a opinião dele, FODA-SE quem segue ou quem não segue. Esse corporativismo de twitter, blogosfera e o escambaou já deu no saco. Semana passada se falou do pessoal que usou um “programinha” pra adicionar milhares de pessoas no twitter e foi o assunto da semana, um absurdo blogueiros falando assim de blogueiros. Bom, eu torço pelo Fluminense e nem por isso seria testemunha de defesa em um processo de tráfico contra o Mc Colibri, que também é tricolor.

Quando blog era só diarinho e site pra escritor era bem melhor. Hoje em dia a gente tem que ficar pensando se vai ofender alguém que tem blog, alguém que te segue no twitter ou tem você no MSN. Leia meus lábios: C-A-G-U-E-I. se eu tiver que reclamar de blog que replica conteúdo, caguei se nunca mais vou trabalhar no Caldeirão do Huck; se eu tiver que falar mal de imbecil que fica contando a vida no twitter, caguei se vai parar de me seguir. Corporativismo ridículo. Ter um blogue agora nos faz todos amigos e camaradinhas? Cada um na sua mas com alguma coisa em comum?

Isso sem falar na falsidade disso. Tirando uma meia dúzia, a grande maioria só quer fazer média e receber uma visita dos grandes blogueiros no seus blogues pessoais, aí fica com medinho de magoar a “blogosfera”. Se não fosse pelo twitter ou pelo blogue, de quantas dessas pessoas você seria amigo? Quantas delas você acha que teria afinidade pra ter amizade? Pra jogar bola ou pra uma sinuquinha? Poucas? Parabéns, você é uma pessoa normal. Eu só falo, mesmo pela internet, com quem tenho um pouco de afinidade. Tem gente que por mais que pareçam ser boa gente, eu não tenho muita afinidade, porque têm blogues que falam de coisas com as quais não me identifico muito, como informática, poesia ou esoterismo.

Então por que o Slonik não pode falar que ele acha aquilo? Por que eu não posso vir aqui e dizer que dos, digamos, 50 maiores blogues do Brasil, eu acho quarenta uma merda? Sem contar os técnicos, claro, que têm público específico, como os de música, arte, crítica, informática etc. Por que eu não posso vir aqui e dizer que, nesse ponto, a internet prestou um desserviço, fazendo qualquer um achar que sabe escrever e fazer um blogue, em vez de treinar, estudar e se informar? É muito bacana elogiar a democracia da internet, mas ninguém lembra que, em toda democracia, tem SEMPRE uma aristocracia. Que também foi posta lá pela democracia, mas que depois percebe que a democracia é bem mais legal de baixo pra cima.