Na boa, eu desisto. Desisto de ter fé nessa merda desse país, pra ser mais exato nessa merda desse estado do Rio. Sério, cansei. Desisto de entender porque quando morre bandido aparece um monte de babaca cobrando explicação da polícia, falando em direitos humanos etc, e mais ainda desisti de entender porque quando morre uma menina de vinte e poucos anos com um tiro na nuca, não aparece um filho da puta dos direitos humanos pra pedir condenação máxima pro assassino ou pra fazer campanha pra população denunciar os criminosos. Onde esses merdas estavam? Fumando seu baseadinho em Ipanema, se preparando pra visitar algum presídio?
Desisto de entender porque depois de décadas, um governo entendeu que aumentar impostos de cigarros e baixar os de automóveis, material de construção e outros bens é PRIMORDIAL pro avanço de um paias, ainda mais um país subdesenvolvido (emergente é quem mora na Barra). Quanto custa um maço de cigarros na França? Quatro Euros. Repetindo: QUATRO EUROS! Desisto de entender governos que preferem ganhar dinheiro com imposto de cigarro e gastar um cadim em campanhas imbecis contra o fumo. Cansei dessa merda.
Desisto de um sistema penitenciário de merda que faz um estuprador/assassino/pedófilo pegar trinta anos de cadeia e sair depois de seis – SEIS – anos por bom comportamento, e desisto dos imbecis que acham que um animal desses vai se ressocializar depois de (poucos) anos preso. Aliás, tenho um conhecido que não vou dize quem é que trabalha no sistema penitenciário. vocÊs sabiam que todos, vamos repetir, TODOS, os presídios do Rio são divididos por facção criminosa? Não é se é melhor pra ressocializar ou tem mais vagas. Comando Vermelho? Vem pra cá. Comando da Casa do Caralho? Vai pra lá. Desisto dessa merda de país que deixa uma “lei” imposta pelo crime ditar o seu próprio funcionamento. Não é a lei que domina o crime, é o crime que domina a lei.
Desisti de tentar convencer os viadinhos (isso mesmo, VIADINHOS) que ficam tendo chiliquinho por que eu falei preto em vez de negro ou qualquer outra babaquice. Desisto de entender porque os gays não param com essa mania de perseguição idiota e vão ser felizes. Querem saber um segredo? Ninguém ta nem aí pra vocês. Ninguém ta nem aí pra ninguém, pra falar a verdade. Esqueçam todo mundo e sejam felizes. Aliás, também desisto de entender esse racismo às avessas das cotas. Cota pra preto, gay, japonês… To esperando o dia que tiver cotas pra netos de paraibanos mas tem cara de indianos. A minha vez há de chegar.
Desisto dessa gente que acha que a internet é ma solução pra tudo no mundo, e que tudo que não está ou não tem a ver com internet vai morrer ou tem que mudar. Ah, essa parte é especial: desisto desse povo que faz blog por qualquer babaquice e se acha o rei da internet. Blog tem que ter conteúdo bom, pronto acabou. Se for um blog só pra sua namorada, um diarinho, tudo bem, mas se você pretende divulgar e pedir troca de links, um conselho: seja bom. Se você não for bom, tenta um fotolog um postar uns vídeos no Videolog. Não é vergonha nenhuma. Sabem por que eu escrevo? Porque não sou músico. Eu queria ser, juro, mas não consegui aprender nem baixo. Mas eu não insisto, procurei algo que eu soubesse fazer minimamente bem e mudei o prumo.
Desisto de pedir pra não me mandarem corrente, pra não me darem sermão por causa de religião e pra não encherem meu saco com campanhas e/ou passeatas imbecis por motivos idiotas que no fim não vão fazer a menor diferença. Querem fazer diferença? Entrem pra política, sejam juízes de direito, entrem pra polícia. Mas não encham a porra do meu saco falando coisas das quais vocês não têm a menor noção, como religião, direito ou política. Ler Paulo Coelho não faz de você um PhD em religião e assuntos esotéricos, assim como fazer passeata por morte de bandido não faz de você um mestre em direito penal.
Desisto de achar que vai melhorar e ter fé e votar e esperar e pedir e reclamar e ligar e esperar musiquinha e ver pronunciamento do presidente e torcer pelo Obama e torcer pelo Gabeira… Aliás, eu não voto há dez anos. Eu simplesmente não vou, pago uma mixaria de multa e pronto. Desisto desse papo de país do futuro que rola desde os anos cinqüenta. Se nós éramos o país do futuro, parece que a China, a Argentina e mais alguns países por aí furaram fila… Resumindo: pretendo criar meus filhos na Suíça. Melhor um filho suicida que um filho morto por um filho da puta porque pediu pra não roubarem a sua bíblia e o crachá.