O início do filme Annie Hall (Noivo neurótico, noiva nervosa) retrata bem o espírito do que eu vou falar. O personagem de Woody Allen, Alvy Singer, conversa com um amigo e, em uma série de trocadilhos que perderiam completamente o sentido e a graça se eu traduzisse, resumidamente se queixa de que as pessoas estão o perseguindo e o discriminando por ele seu judeu, mas essa “perseguição” é só fruto de sua imaginação paranóica. É recorrente entre os americanos essa “mania de perseguição” dos judeus que moram nos EUA hoje em dia. Infelizmente as “minorias” têm disso: de se acharam sempre injustiçadas, e que o mundo conspira contra elas. Na boa, chato pra caralho isso.
Um comercial recém-lançado da Doritos reacendeu a paranóia-homossexual: nele, amigos estão dentro de um carro quando começa a tocar YMCA. Um deles, o do banco do carona, começa a dançar e os outros o olham estranho, e vem a assinatura, que diz “quer dividir alguma coisa com os amigos? Divide um Doritos”. Engraçadíssimo! Mas já começaram a pedir que o CONAR (Conselho Nacional de Auto Regulamentação) o tire do ar por ser preconceituoso com os gays. Preconceituoso com os gays? Olha a paranóia Woodyalliana aí! Ninguém falou nada sobre gays. Ninguém falou que o que ele queria dividir é o fato de ele ser gay. Se ele dançasse a Macarena ou na boquinha da garrafa, a reação deles ia ser a mesma. E ponto.
Se for assim, porque é socialmente aceitável que me chamem de quatro olhos por eu usar óculos ou apelidos como magrelo, mosquito ou cabide por eu ser magro? Porque piada com magro, preto e de óculos pode, mas com gays não pode? Com nerd pode, como várias campanhas fazem, mas com gays não podem? Os gays são paranóicos via de regra. Acham que o mundo gira ao redor da infelicidade deles. E na boa, eu to cagando se fulano é gay ou não é. Eu vou continuar fazendo piada com isso até quando eu quiser. Se todos os tipos de pessoas que forem alvo de piadas começarem a dar chilique por isso o humor acaba. Aí vocês vão ficar felizes?
Outro dia eu tava em um  Shopping, e na mesa de um lado tinha um casal de idosos, e em outra, próxima, um casal homossexual. Dois homens. Os idosos não estavam de forma nenhuma sendo preconceituosos com o casal, mas estavam nitidamente incomodados, porque aquilo não é uma coisa normal pra eles. Isso não é preconceito. Mas não estavam fazendo nada. De repente, um dos dois gays falou baixinho: “vamos matar esses velhos co coração agora”, e sentou no colo do outro, e começaram a se agarrar de um jeito que ainda que fossem um homem e uma mulher EU ficaria escandalizado. Agora me diz: pra que isso? Pra que? Só pra escandalizar? Sinceramente, os próprios gays não se dão ao respeito, e preferem escandalizar e chocar do que simplesmente se manifestar, procurar seus direitos ou reivindicar o que querem.
As melhores piadas de pretos e de judeus que eu conheço me foram contadas POR pretos e por judeus. Vide Woody Allen, Chris Rock, Seinfeld etc. Por que os gays ainda não atingiram esse grau de maturidade e segurança, a ponto de chegar ao auto-escárnio? Ao contrário disso, eles preferem aparecer em público como bonecas afeminadas e cheias de firulas, como David Brasil, Leão Lobo e outros. E quando os gays, não todos, lógico, os apóiam e os têm como gays bem sucedidos, abrem brecha para os estereótipos. Falar que jogar videogame é coisa de nerd pode, mas eu falar que anel no polegar e teatro infantil são coisas de gay não pode? Por que? Ta na hora doa gays pararem de se achar injustiçados e reclamar e começarem a agir sem chilique e sem ver preconceito em tudo. E mais: sem reclamar das piadas envolvendo eles, pois elas nunca vão parar.
Pessoalmente acho isso muito chato. E não to nem aí pras chiliquentas que me chamam de homófobo e blábláblá. Só acho sinceramente que já ta muito mais do que na hora de esse ranço de censura disfarçado de “politicamente correto” tirar umas férias eternas. Ah, vejam o vídeo e dêem suas opiniões.