Esse texto é em virtude dos muitos comentários e emails chatos pra caralho carinhosos que tenho recebido nas últimas semanas. Não tem nada a ver com uma idéia que a minha amiga Má, lá do Vida em Posts, teve ontem. Se ela escrever sobre isso depois foi ela que chupou a minha idéia. A idéia.

Bom, vou abrir o jogo. Isso de eu ser metido, falastrão, metido a ateu comunista, coisa e tal, não passa de um embuste. A verdade é que, acredite quem quiser, eu sou Deus. Na verdade eu sou uma espécie de pré-Deus, e só vou assumir como Deus – sem o pré antes – quando acabar o mandato desse aí que tá lá. Quem criou o mundo fui eu, mas aí eu me emputeci, queimei umas cidades, inundei outras, matei uns sujeitos aí e cassaram meu mandato. Ai esse aí assumiu. Aí, pra tirar o rabo divino dele da reta, inventou isso de guerra, tráfico, violência, só pra não ter mais que usar dilúvio, praga, chuva de fogo, essas coisas. Mas eu vim a público hoje contar toda a verdade. Toda.

Pra começar eu não criei vocês à minha imagem e semelhança. Que idiotice! Vocês acham que eu escuto Xitãozinho & Xororó, torço pro flamengo ou mando corrente de menininha com hemorróida em Sri Lanka? Lógico que não, porra! Até porque, se eu crio vocês à minha imagem e semelhança o mundo ia ser um porre, cheio de gente querendo fazer milagre e matar os outros com colunas de fogo vindas do céu. Eu fiz vocês á imagem e semelhança do Homem Vitruviano, do Da Vinci. Aliás, outro segredo: Da Vinci também era Deus. Quer dizer, era eu. Bom, depois que perdi meu mandato a vida ficou chata, aí pra me divertir eu encarnava humanos “normais” de vez em quando. Alguns deles foram o Da Vinci, o Freud (com aquela barba, não enganei ninguém…), Ghandi, Rivelino, Muhammad Ali, Hemingway, entre outros. Dos vivos eu encarno as vezes no Verissimo (filho), no Michael Jordan e no Steve Jobs.

Então, aí eu peguei o desenho do Léo (Da Vinci), pintei uns de preto, uns de branco, uns de amarelo, uns de vermelho, fiz uns maiores, uns menores, uns gordos, uns magros, uns mais inteligentes, uns torcedores do Flamengo e por aí vai. Nas mulheres aumentei uns peitos aqui, diminuí uma bunda ali, mas aí ficou chato e resolvi automatizar isso e criei o silicone, o spinning e calça de couro. E pros homens eu aproveitei uma invenção do Diabo – o spam – e criei o “enlarge your penis”. Muito mais democrático.

Mas fiquem tranqüilos, quando eu for Deus essa merda vai melhorar! Vou acabar com esse negócio de guerra e vão voltar as pragas, os dilúvios, o fogo vindo do céu… Só quem pode matar sem motivo nessa porra sou eu! Eu tenho o monopólio da violência desenfreada. E esse que ta aí agora, populista que só ele, acabou com a minha melhor invenção: a guilhotina. Mas vai voltar, fiquem tranqüilos. Traficante, estuprador, ladrão, deputado estadual por cidade do interior, goleiro que pega pênalti contra o Fluminense, vai tudo pra forca! Nada de ficar enchendo prisão. E ainda dá pra usar os miolos como adubo e os crânios como canecas temáticas pra trem fantasma.

O bom e velho duelo ia voltar. Também voltariam coisas que inventei e privaram vocês delas, como a poligamia, as orgias, o tri campeonato do Fluminense, o vinil, o Sérgio Mallandro, enfim, voltariam os tempos de prazer e felicidade. Em tempo: quem inventou isso de sexo depois do casamento e essas palhaçadas todas foi a Igreja. Não tive nada com isso. Aliás, só fui saber que a Igreja era em minha homenagem séculos depois. E até hoje ainda acho que tão me confundindo com alguém. Mas quando eu for Deus isso acaba. Todos me venerarão sem intermediários. Talvez o Steve Jobs e a Gisele Bündchen possam intermediar. Vou pensar nisso. Ah, e também vou acabar com o baixo. Não sabe tocar nada azar, não toca. O baixo foi inventado só pro amigo que não tocava nada participar da banda dos amiguinhos. Mas vai acabar. E vou ressuscitar os Beatles, os Mamonas Assassinas e o Nelson Rodrigues. E vou botar umas pedras bem pesadas em cima do túmulo de uns e outros, só pra garantir…

Ah, antes que me mandem cartas, o Windows não foi culpa minha. Eu encarnei o Jobs e criei a Apple, aí o lá de baixo não quis ficar atrás, criou o Bill Gates e inventou o Windows. Quando eu for Deus o Windows já era. O Mac é coisa de Deus. Bebida azul e tela azul não são coisas de Deus. Ah, e antes que eu me esqueça: o exame de toque retal vai ser substituído pelo Exame de Massagem Pélvica, e será feito por enfermeiras gostosas ninfomaníacas. Deus é amor, meus filhos.