Pois é, ano novo de novo. O ano passou voando, rapaz. Mas brasileiro é assim mesmo: até julho reclama que o ano não passa, aí chega agosto e começa a reclamar que o ano passou rápido demais. Vai entender. Mas esse ano passou rápido demais. Mudei de emprego – e já tô de saída do atual -, não mudei de namorada, só não tenho mais a que tinha, e não, ainda não me formei na faculdade. Ainda não tô no agosto da faculdade pra falar que essa faculdade tá passando rápido demais. 

Fim de ano é muito chato: um monte de gente que eu não gosto vem falar comigo, um monte de comida que eu não gosto tentando penetrar no meu estômago e um monte de coisa que eu prometo e que não vou cumprir nem fodendo.

Mas a maior tristeza da minha vida aconteceu esse ano: a derrota da libertadores. Poucos acontecimentos da minha vida daqui pra frente serão mais dolorosos que isso. E quando isso aconteceu, eu soube na hora que nada faria esse ano de 2008 ao menos valer a pena. Aqueles três pênaltis contaminaram tudo e o resto do ano seria, e foi, uma merda. Com relação a isso esse ano parece que vai ser melhor.

Pretendo escrever com mais frequência aqui no blogue e lá no Perca Tempo! Vou reclamar menos, comer verduras e tomar menos Coca-Cola. E comer menos gordura, ainda mais agora, solteiro. E espero que as pessoas que eu magoei nesse fim de ano se recuperem logo…

Ah, e claro, pretendo também ficar rico, e escrever o texto de fim de ano de 2009 de Taiti, com uma nativa peituda sentada no meu colo mordiscando a minha orelha e me pedindo pra sair do computador. Então eu vou falar que devo tudo isso a vocês, e que  mesmo no Taiti com ela no meu colo, nada me impediria de lhes agradecer. Mas aí a câmera dá um close no meu rosto e a nativa, marota, se abaixa, faz uma cara de safada, sai do quadro da câmera e me convence de que vocês não iam ficar chateados se eu agradecesse um pouquinho mais tarde…