Outro dia eu tava pensando: quem é mais maluco? O meu namorado, ou eu quando aceitei namorar com ele? Como bem diz o digníssimo, explico. Quando éramos só amigos, os jeitos, manias, e gostos eram até beeeem fofinhos, mas hoje, quando eu paro pra pensar é bastante estranho. Como pode uma mesma pessoa gostar de Toddynho e dos Simpsons, amar os Beatles, ter uma biblioteca em casa com os livros mais chatos do universo, o que dá aquele arzinho do homem mais intelectual e inteligente do mundo (imaginem a figura), e que não perde uma luta na televisão, mas que ao mesmo tempo não desgruda daquele videogame nojento? E o pior de tudo: ele chora quando vê Indiana Jones! Não, eu não estou inventando!

Acontece muito em filme essas cosias. E todo mundo acha lindo, romântico e coisa e tal. E se vocês acham muito bonito essa coisa de sair por aí dançando na rua, experimentem estar de mãos dadas com ela quando isso começa. É muito engraçado olhando (“ih, olha lá a maluca dançando no meio da rua com o namorado desengonçado”), mas quando o namorado desengonçado é você, a coisa muda de figura. E ter que ver DVD de Ballet? Um espetáculo de ballet é mais ou menos como uma ópera: quando um sujeito leva uma facada, em vez de sangrar ele dança. No caso da ópera, ele canta. Imaginem uma hora disso. Você tendo que adivinhar. “Amor, mas ela não namorava o mocinho?”, “Amor, ele é o mocinho! É que ele trocou de roupa, não reparou? Agora ele vai matar o pirata”. Aí o cara dá um pulinho aviadado e o outro cai mais aviadado ainda. É assim. Durante duas horas. Mas o pior é que quando acaba os aplausos acordam a gente…

Pois é, parece coisa do destino. Você acaba de entrar na maior idade, e depois de uma busca constante, demorada e infeliz pelo príncipe encantado, comemora o seu primeiro namorado. Como eu ia adivinhar? Paixão por futebol todo homem macho que é macho tem, mas dividir amor com 11 caras de camisa vermelha e verde é digamos, um brinde e tanto! Sem contar o constrangimento que é entrar numa loja de brinquedos e “Moça, você tem o bonequinho do Chaves? Aquele que vem com o barril e tal?”. “Ah, que pena, acabou de acabar. Era pro seu irmãozinho?”. E depois ainda dizem que mulher é que devia vir com um manual de instruções…

Foda é encarar as pessoas te olhando como se você fosse o lobo mau entrando em um cinema com a Chapeuzinho Vermelho. Família, amigos, até os meus amigos! “porra, Léo, dezoito anos é foda”. E aquelas famosas três letrinhas que não se pode falar o nome, que começam com TP e tem M no final? Como diria o gordinho, ôrrra, meu! É como namorar com uma mistura de Pedro de Lara, Jason e Myke Tyson. Isso sem falar em gastar os tubos de telefone e ficar o tempo todo na internet. Um homem tem suas necessidades! Eu preciso de cafuné quando to com enxaqueca! E pela internet não dá…

Às vezes parece que eu tenho 28 anos e sou a mais madura da relação. Mas ao mesmo tempo, com todos os bonecos, desenhos e filmes de luta chineses irritantes, eu me sinto uma mosquinha perto daquele cara de 28 anos que se veste como um adolescente e que pede cafuné. Dá medo só de imaginar o que ele conversa sobre mim com os amigos, afinal são dez anos de tudo a mais que eu. Não dá pra negar, apesar de tudo isso, ele é o namorado que eu sempre quis ter. Maduro e engraçado. Infantil e mal-humorado. Inteligente e romântico. Ahhh, ele me faz feliz!! Feliz como ninguém nunca fez antes e arrisco dizer, ninguém nunca vai fazer!Pensando bem, dá pra conciliar os jogos na quarta, filmes de luta só quando eu estiver no ballet, toddynho quando eu não estiver de dieta, simpsons até que é fofinho, quem sabe eu vejo todos os Indianas com ele? Dá pra treinar…

Mas sabe que na maioria das vezes eu acordo achando que sou eu que acabei de fazer dezoito anos. Não era ela quem devia ser insegura, birrenta, ciumenta e ficar fazendo charme pra ganhar cafuné? Não era eu que era pra dar conselhos, apoiar, amar incondicionalmente como um sujeito maduro e jurar amor eterno, porque sei o que quero? Mas os papéis aqui se inverteram. E quer saber? Que fique assim pra sempre! É a moleca que faz bico que eu sempre quis, e a mulher que me bota nos eixos que eu sempre precisei, mas nunca admiti. E se eu baixar o resumo dos ballets na internet antes de ver, quem sabe eu entendo alguma coisa?

* Post escrito a quatro mãos, como devem ter percebido. As mãos femininas são da bailarina, e as outras, minhas, porque vagabundo não fica botanto a mão na mão da minha bailarina assim não!

p.s.1: Não é vermelho, é grená!…

p.s.2: quanto ao Indiana Jones, não discuto crenças religiosas

Anúncios