Muita gente reclama que no Brasil artista não tem vez, e esse papo todo. Dizem que a culpa é do governo, das grandes empresas, do escambau. Mas a culpa, em grande parte, é também da sociedade. Eu sei que já me acham metido e coisa e tal, mas tenho que falar. A sociedade brasileira – digo brasileira por que lá fora parece que o problema é bem menor – acostumou as criancinhas na escola de que talento não existe, inspiração é coisa de fresco, e que dom é coisa de quem não sabe fazer nada da vida e quer viver cantando, desenhando ou escrevendo. Dizem que se você passar quinze anos na escola, mais cinco na faculdade, mais uns quatro em uma especialização, você vai se dar bem, mesmo que não tenha talento pra porra nenhuma na vida.

E assim as crianças crescem, fazendo isso tudo – nada contra o estudo, que fique claro. Eu mesmo faço faculdade e gosto de estudar assuntos que me competem. Pois então, hoje em dia, as pessoas acham que é válido você encher a boca pra falar que é um bom advogado(?), bom engenheiro ou um bom médico. Afinal, você passou anos com a bunda sentada na cadeira aprendendo aquilo, então, mesmo que você não tenha talento, você, até prova em contrário, é um bom profissional. Mas se você é pintor, escritor ou de alguma área artística, ai de você se abrir a boca para se proclamar um bom profissional. Ta ferrado, vão te chamar de arrogante, metido etc.

Se um sujeito se gaba de ter passado a vida inteira estudando aquela bosta e de ser um bom profissional, por que você, escritor, não pode se gabar de ser um bom profissional? Simples: por que qualquer um pode sentar o rabo lá e virar arquiteto, fisioterapeuta ou matemático. Mas e escritor ou músico? Só estudar resolve? Não, não resolve. E como você ousa ser bem sucedido em uma carreira onde não basta só estudar pra se dar bem? Por isso essa falsa humildade dos publicitários, escritores e afins, sempre se achando “mais ou menos”, quando sabem que são bons. Se fossem químicos, iam encher a boca pra falar que são ótimos químicos. Quando me perguntam o que eu faço, falo que sou roteirista. “E você escreve bem?”. Escrevo. Lá vem aquele olhar de “Taquilpariu, tá se achando…”. Quer dizer que se eu fosse cirurgião ia poder dizer que minha ponte de safena é uma maravilha?
E isso faz com que as pessoas tenham vergonha de dizer que são competentes no que fazem. Medo de ficar tachado de metido. Por isso, você, publicitário, escritor, pintor, cantor, músico, ou Presidente do Senado, não tenha medo de expor seu talento e se auto-proclamar um bom profissional. Admita que você canta, pinta, escreve, compõe ou mente bem. Talento é talento, durma-se com um barulho desses. Mas não se sinta mal: você faz diferença. Todo ano as faculdades vomitam milhões de novos engenheiros, arquitetos, químicos, físicos, médicos, advogados etc. E todos eles, se ao menos se dedicarem aos estudos, vão ser bons profissionais. E escritor? Cantor, pintor, músico etc? É fácil assim encontrar alguém com talento? Quem tem talento pode estudar, mas quem estuda pode “aprender” talento? É que nem a história da mulher que fala pro cara que ele é gordo. E ele responde “mas eu posso emagrecer, pior você que é feia”. Então, emagrecer todo mundo pode, mas e ficar bonito?

Anúncios