Inspirado por uma amiga que dá aulas de português e amarrou seus alunos das cadeiras e os obrigou a ler meu blogue, decidi escrever sobre o segundo tema mais comum em crônicas depois da falta de assunto: a própria crônica. A crônica foi, e ainda é para algumas pessoas, infelizmente, considerada um gênero menor. Para estas pessoas, a crônica não tem a seriedade e o sentimento da poesia nem o peso e o fôlego do romance. Este pensamento não é mais predominante e começou a perder espaço quando grandes escritores começaram a se bandear pro lado das crônicas, como Machado, Drummond, Nelson Rodrigues etc. E hoje em dia o sucesso e o respeito pela crônica se deve em grandessíssima parte a um sujeito chamado Luis Fernando Verissimo, simplesmente o melhor escritor brasileiro vivo. Ele mostrou que crônica não é subgênero. Muito pelo contrário.

 

      Eu costumo, com relação à crônica, citar Picasso. Uma vez um repórter perguntou ao Picasso por que ele “desconstruía” a arte nos quadros dele, por que ele subvertia a arte, enfim, por que ele não pintava como os outros pintores de seu tempo, que faziam obras quase perfeitas tecnicamente. E o mestre respondeu, calmamente, que para ter a liberdade que ele tinha e para “desconstruir” como ele fazia, ele passou anos aprendendo a “construir” e aprendendo a técnica, para poder enfim se libertar. Bom, como eu acabei de inventar esta história, vou explicar melhor. Um bom cronista não é alguém que “só” conseguiu escrever crônicas, e por isso ele o faz. É um sujeito que escreve bem qualquer coisa, e ele resolveu usar seu talento para algo que lhe satisfizesse, no caso a crônica.

 

      Outro fator pelo qual os autores de crônicas devem ser respeitados e a crônica entendida como literatura de verdade é o assunto. Em um romance você tem um assunto, desenvolve ele e temos um romance. Na crônica, cada obra é um assunto. E se for um cronista diário, como o LFV, haja inteligência e talento para falar de tantas coisas de maneira que as pessoas se interessem. No caso do Verissimo, eu por exemplo cada vez que o leio penso “Ahá, agora não tem mais assunto, quero só ver!”, mas ele inventa um assunto e faz uma crônica melhor que a outra, sempre. Uma boa crônica é aquela que você lê e pensa “É isso mesmo! Como eu não pensei nisso antes?”. Porque as idéias e os assuntos são simples, o que faz de um cronista um BOM cronista é a maneira que ele fala sobre qualquer assunto, fazendo-o ficar interessante. É aquele texto que você lê concordando até o fim, se identifica com ele. A crônica fala a língua das pessoas comuns. Fala de assuntos comuns, corriqueiros. É aquele texto que te faz achar que é muito simples de fazer, muito fácil. Mas não é. Pelo contrário. É muito fácil escrever um livro ou um texto longo de forma rebuscada, difícil de entender. No caso da crônica, o feedback do leitor é na hora. Ele lê e já dialoga com o texto.

 

      A crônica é o gênero mais gratificante de escrever. A resposta das pessoas é imediata. Você muda a vida de uma pessoa com um texto, alegra uma pessoa doente, ajuda alguém a manter um namoro, estimula alguém que quer começar a escrever, enfim, vale a pena.  Não dá dinheiro, você não vai pra ABL, não vai ganhar um Jabuti nem um prêmio internacional de livros, mas vale a pena. A não ser que você seja o Verissimo. Aí você ganha dinheiro, tem chances de entrar pra ABL, ganha prêmios e tudo mais. E você sabe que está mudando a vida das pessoas quando, em um texto como este, você tem seu nome citado diversas vezes. Se eu conseguir mudar e tocar alguém como o Verissimo fez comigo, vai ter valido a pena. Claro que vender milhares de livros também não ia ser nada mal. Ah, e o “toque” dele não foi nada disso que você tava querendo fazer piadinha aí nos comentários. Apesar de gaúcho ele é um sujeito sério e a minha namorada é ciumenta.         

About these ads